terça-feira, 29 de junho de 2010

Por onde andas

Que não mais me carregou no colo

Que não mergulha em minhas pernas

Que não me delicia com sua língua

Que não consome o meu prazer


Vem...

Meu louco desejo

Meu prazer certeiro

Minha loucura extrema

Meu doce viver.

8 comentários:

  1. e pq tantos escrúpulos se são tão bons eim?

    ;-)

    ResponderExcluir
  2. Adoro poemas assim...

    Te achei por acaso e aqui estou.

    Bjs querido!

    Mila Lopes

    ResponderExcluir
  3. ótemo!

    lembrou-me caetano cantando: vem, que eu vou pousar as mãos nos teus quadris...

    abraço!

    ResponderExcluir
  4. No amor não precisamos de nada... só do desnecessário. Sua inutilidade se justifica pelos sentidos e aguçados desejos aflitos a se atirarem em um abismo das profundezas da alma!!

    Então nos rendemos...

    Abraços!!

    ResponderExcluir
  5. Vim aqui por indicação do Ediney. Mas ele disse "blogue de um amigo"...
    De qualquer modo gostei dos seus poemas. O Ediney tem razão, vc sabe fazer poesia erótica.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Retribuindo sua visita http://conversasatrevidasnomeudiva.blogspot.com
    Amei sua visita, seja sempre bem vinda. Seus poemas tocam a alma.
    Beijos

    ResponderExcluir